segunda-feira, 30 de abril de 2012

São José Operário – 1º de Maio


O culto a São José começou provavelmente no Egito, passando mais tarde para o Ocidente, onde hoje alcança grande popularidade. Em 1870, o papa Pio IX o proclamou "O Patrono da Igreja Universal" e, a partir de então, passou a ser cultuado no dia 19 de março.
Em 1955 Pio XII fixou o dia 1º de maio para "São José Operário, o trabalhador". Apesar de ter grande importância dentro da Igreja Católica, o nome de São José não é muito citado dentro das fontes bibliográficas da Igreja, sendo apenas mencionado nos Evangelhos de S. Lucas e S. Mateus.
Descendente de Davi, São José era carpinteiro na Galileia e comprometido com Maria. Segundo a tradição popular, a mão de Maria era aspirada por muitos pretendentes, porém, foi a José que ela foi concedida.

Quando Maria recebeu a anunciação do anjo Gabriel de que daria à luz ao Menino Jesus, José ficou bastante confuso porque apesar de não ter tomado parte na gravidez, confiava na fidelidade dela. Resolveu, então, terminar o noivado e deixá-la secretamente, sem comentar nada com ninguém. Porém, em um sonho, um anjo lhe apareceu e contou que o Menino era Filho de Deus e que ele deveria manter o casamento.

José esteve ao lado de Maria em todos os momentos, principalmente na hora do parto, que aconteceu em um estábulo, em Belém. Quando Jesus tinha dois anos, José foi novamente avisado por um anjo que deveria fugir de Belém para o Egito, porque todas as crianças do sexo masculino estavam sendo exterminadas, por ordem de Herodes.  José, Maria e Jesus fugiram para o Egito e permaneceram lá até que um anjo avisasse da morte de Herodes. Temendo um sucessor do tirano, José levou a família para Nazaré, uma cidade da Galileia.

Outro momento da vida de Cristo em que José aparece na condição de Seu guardião foi na celebração da Páscoa Judaica, em Jerusalém, quando Jesus tina 12 anos. Em companhia de muitos de seus vizinhos, José e Maria voltavam para a Galileia com a certeza de que Jesus estava no meio do grupo. Ao chegar a noite e não terem notícias de seu filho, regressaram para Jerusalém em uma busca que durou 3 dias. Para a surpresa do casal, Jesus foi encontrado no templo em meio aos doutores da lei mais eruditos, explicando coisas que o deixavam admirados.

Apesar da grande importância de José na vida de Jesus Cristo não há referências da data de sua morte.  Acredita-se que José tenha morrido antes da crucificação de Cristo, quando este tinha 30 anos.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem


Trechos do livro escrito por São Luís Maria de Montfort

Foi por intermédio da Santíssima Virgem Maria que Jesus Cristo veio ao mundo, e é também por meio dela que ele deve reinar no mundo. Toda a sua vida Maria permaneceu oculta; por isso o Espírito Santo e a Igreja a chamam Alma Mater – Mãe escondida e secreta. Tão profunda era a sua humildade, que, para ela, o atrativo mais poderoso, mais constante era esconder-se de si mesma e de toda criatura, para ser conhecida somente de Deus.

Para atender aos pedido que ela lhe fez de escondê-la, empobrecê-la e humilhá-la, Deus providenciou para que oculta ela permanecesse em seu nascimento, em sua vida, em seus mistérios, em sua ressurreição e assunção, passando despercebida aos olhos de quase toda criatura humana. Seus próprios parentes não a conheciam; e os anjos perguntavam muitas vezes uns aos outros: Quae est ista?... - Quem é esta?, pois que o Altíssimo lha escondia; ou, se algo lhes desvendava a respeito, muito mais, infinitamente, lhes ocultava.

Se examinarmos atentamente o resto da vida de Jesus, veremos que foi por Maria que ele quis começar seus milagres. Pela palavra de Maria ele santificou São João no seio de Santa Isabel; assim que as palavras brotaram dos lábios de Maria, João ficou santificado, e foi este seu primeiro e maior milagre de graça. Foi ao humilde pedido de Maria, que ele, nas núpcias de Caná, mudou água em vinho, sendo este seu primeiro milagre sobre a natureza. Ele começou e continuou seus milagres por Maria, e por Maria os continuará até o fim dos séculos.

Deus Pai ajuntou todas as águas e denominou-as mar; reuniu todas as suas graças e chamou-as Maria. Este grande Deus tem um tesouro, um depósito riquíssimo, onde encerrou tudo que há de belo e brilhante, raro e precioso, até seu próprio filho; e este tesouro imenso é Maria, que os anjos chamam o tesouro do Senhor, e de cuja plenitude os homens de enriquecem.

Maria é a via pela qual Jesus Cristo veio a primeira vez, ela o será ainda na segunda vinda, embora de modo diferente. Pois que é o meio seguro e o caminho reto e Imaculado para se ir a Jesus Cristo encontrá-lo plenamente, é por ela que as almas, chamadas a brilhar em santidade, devem encontrá-lo.

Quem encontrar Maria, encontrará a vida, é, Jesus Cristo, que é o caminho, a verdade e a vida. Mas não pode encontrar Maria quem não a procura; não pode buscá-la quem não a conhece, e ninguém procura nem deseja o que não conhece. É preciso, portanto, que Maria seja, mais do que nunca, conhecida, para maior conhecimento e maior glória da Santíssima Trindade.

Nesses últimos tempos, Maria deve brilhar, como jamais brilhou, em misericórdia, em força e graça. Em misericórdia para reconduzir e receber amorosamente os pobres pecadores e desviados que se converterão e voltarão ao seio da Igreja Católica; em força contra os inimigos de Deus, os idólatras, os cismáticos, maometanos, judeus e ímpios empedernidos, que se revoltarão terrivelmente para fazer seduzir e fazer cair, com promessas e ameaças, todos os que lhes forem contrários.

Maria deve ser, enfim, terrível para o demônio e seus sequazes como um exército em linha de batalha, principalmente nesse últimos tempos, pois o demônio, sabendo bem que pouco tempo lhe resta para perder as almas, redobra cada dia seus esforços e ataques. Suscitará, em breve, perseguições cruéis e terríveis emboscadas aos servidores fiéis e aos verdadeiros filhos de Maria, que mais trabalho lhe dão para vencer. 


São Luis Maria de Montfort – Padroeiro da Legião de Maria


“Se respeitarmos as decisões de não admitir padroeiros particulares ou locais, a inclusão do nome de S. Luís Maria Monfort parece ser, à primeira vista, discutível. Podemos todavia afirmar com segurança que nenhum santo desempenhou papel mais importante do que este no progresso da Legião. O Manual está cheio do seu espírito. As orações são um eco das suas palavras. É realmente o tutor da Legião: motivo por que a sua invocação é, por parte da Legião de Maria, quase uma obrigação moral” (Decisão da Legião que coloca o nome de S. Luís Maria de Montfort na lista das suas invocações).

Foi canonizado a 20 de julho de 1947. A sua festa celebra-se a 28 de abril.

“Missionário e mais do que missionário, Doutor e Teólogo que
nos deu uma
Mariologia como nenhum outro havia concebido antes dele.
Tão profundamente explorou
as raízes da devoção mariana e por tão longe estendeu os seus horizontes,
que se tornou indiscutivelmente o proclamador de todas as modernas
manifestações de Maria – de Lourdes a Fátima,
da definição da Imaculada Conceição à Legião de Maria. Tornou-se o
precursor da idéia da vinda do Reino de Deus por Maria, e da tão suspirada salvação que,
na plenitude dos tempos, a Virgem Mãe de Deus há de trazer à terra,
pelo seu Imaculado Coração”. (Federico Cardeal Tedeschini, Arcipreste de S. Pedro.
Discurso proferido no descerramento da estátua de S. Luís Maria de Montfort, na Basílica de S. Pedro, a 8 de dezembro de 1948).

“Prevejo que muitos animais ferozes virão enraivecidos para rasgarem
com os seus dentes diabólicos este pequeno escrito e aquele de quem o
Espírito Santo se serviu para o compor.
Pelo menos envolverão este livrinho nas trevas e no silêncio de uma arca,
a fim de que não apareça. Atacarão mesmo e perseguirão aqueles que
o lerem e puserem em prática. Mas, que importa? Tanto melhor.
Esta visão anima-me e faz-me esperar um
grande êxito, isto é, um grande esquadrão de bravos e valorosos soldados
de Jesus e Maria, de ambos os sexos, que combaterão o mundo,
o demônio e a natureza corrompida, os tempos perigosos que mais
que nunca se aproximam”
(S. Luís de Montfort, falecido em
1716: Tratado da Verdadeira Devoção, 114).
Fonte: Manual da Legião de Maria, página 135.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Legião de Maria – 32 anos de história

Quando o Sr. Valdecir Reggiani tinha 10 anos, seus tios Paulo e Silvandira Reggiani que moravam em São Paulo, trouxeram Tesseras e fizeram com que sua avó, pais e tios fossem membros auxiliares da Legião de Maria.
No início dos anos 60, seu tio Paulo e família mudaram para Cruzeiro do Sul. Ele tentou fundar a Legião de Maria, naquela época não foi possível, mas Deus e Nossa Senhora tinham outros planos. O Sr. Valdecir começou a cuidar dos grupos jovens no ano de 1973, mas infelizmente os cafezais estavam no fim e os jovens estavam indo embora de nossa cidade. Um jovem muito esforçado chamado João Natalino mudou-se para São Paulo e lá entrou na Legião de Maria. Ele ficou encantado e pelos anos de 78 e 79, mandou algumas Tesseras e Manuais.
Em 1980 o Sr. Valdecir passou num segundo concurso para professor e foi transferido para Floraí onde morou 15 dias na casa do Padre Roberto. Ele fez a novena da Medalha Milagrosa e se alcançasse a graça fundaria a Legião de Maria. Todos estavam aqui, seus pais e sua esposa esperando o terceiro filho, João Paulo. Imediatamente conseguiu retornar para Cruzeiro do Sul. Foi difícil mas após uma novena a São José, a Legião de Maria teve início no dia 26 de abril de 1980, dia de Nossa Senhora do Bom Conselho.
O primeiro Praesidium fundado foi o Medianeira de Todas as Graças no dia 26 de abril de 1980, sábado às 18:00 horas, na Sacristia da Igreja Matriz. Os primeiros membros foram: Valdecir Reggiani, Manoel João da Silva, José Pedro Viana, Antonio Pedro Viana, Gonçalo de Lima Neves, Joaquim de Lima Neves, José Olívio da Silva e Anésio Foltran.
No ano de 1987 funcionavam os Praesidia Imaculado Coração de Maria com 23 membros com reunião aos sábados às 20:00 h e Nossa Senhora do Rosário 24 membros com reunião aos domingos às 20:00 h. Não encontramos registro do Praesidium Medianeira de Todas as Graças. No dia 03 de julho de 1988 as reuniões passaram a ser realizadas na sede dos vicentinos.




No ano de 1989 estavam ativos os Praesidia Medianeira de Todas as Graças com 12 membros, Praesidium Imaculado Coração de Maria com 12 membros e Nossa Senhora do Rosário com 15 membros.
Houve apenas um Padre que não concordou, e pelo desgaste após 20 anos no dia 21 de outubro de 2000 foi realizada a última reunião. Não tínhamos local para fazer a reunião, saímos da Sacristia onde hoje é o Santíssimo, fomos para o Salão Paroquial, depois para a sede dos Vicentinos e terminamos na Capelinha Velha do Bosque.
Após 5 anos, recebemos uma grande benção, a chegada do nosso caríssimo Padre Antonio Carlos da Silva que permitiu que a Legião voltasse a trabalhar ativamente. As reuniões foram recomeçadas no dia 10 de fevereiro de 2005, quinta-feira na Capela do Bosque.
Após o falecimento do Sr. Valdecir em dezembro de 2007, todos os legionários ficaram muito tristes, mas juntos decidiram que a Legião de Maria não iria novamente acabar, juntamente com todo o trabalho desenvolvido por ele na comunidade.
No início do mês de fevereiro de 2008, os legionários decidiram se reunir como de costume, e após algumas reuniões foram eleitos os novos oficiais para o Praesidium Rainha de Todos os Santos, sendo:- Presidente: Mirian Marion Roeles, Vice-Presidente: Dirceu Vicente, Tesoureiro: Aparecido de Souza e Secretária: Suzana Ornelas de Oliveira.
No final do ano de 2009, entramos em contato com o Comitium Nossa Senhora do Carmo de Arapongas. No dia 23 de janeiro de 2010 participamos da primeira reunião com o novo Comitium. Nessa reunião nos foi solicitado pelo presidente do Comitium, Sr. Antonio Sastre a divisão do nosso grupo, que contava com 19 membros ativos, com o objetivo de futuramente fundarmos uma Curia em Cruzeiro do Sul.
Foram recrutados novos membros e o grupo se dividiu em mais três: Praesidium Rainha de Todos os Santos, Rainha dos Apóstolos e Medianeira de Todas as Graças.
No dia 13 de março de 2010 um grande sonho do irmão Valdecir foi concretizado. Nossa humilde capelinha que acolhe a Legião de Maria foi presenteada como o Sacrário que foi abençoado neste mesmo dia. A partir desse momento Jesus passou a fazer morada neste campo santo para sempre.
No dia 30 de abril de 2010 fundamos o 4º Praesidium com o título de Nossa Senhora do Rosário.
No dia 25 de julho de 2010 reuniram os legionários para a formação da Cúria em nosso município. Estiveram presentes além dos legionários de Cruzeiro do Sul, 28 legionários pertencentes ao Comitium Mater de Arapongas. O dia de oração foi conduzido pelo Presidente do Comitium, Sr. Antonio Sastre e pelo Diretor Espiritual Pe. Antonio Carlos da Silva. A Cúria recebeu o nome de Nossa Senhora Rainha da Paz.




No dia 29 de julho de 2010 oficializamos o primeiro Praesidium de Uniflor intitulado Imaculada Conceição.
Após um não e três meses rezando o terço radiado para toda a cidade, foi estruturado o Praesidium Juvenil Nossa Senhora das Graças. A primeira reunião foi realizada no dia 16 de agosto de 2010 às 18:00 h no térreo da torre da Igreja Matriz de Cruzeiro do Sul, com a participação de 08 jovens.
No dia 25 de agosto de 2010, o Praesidium Imaculada Conceição de Uniflor se dividiu dando vida a um novo grupo, o Nossa Senhora da Medalha Milagrosa. Em 14 de setembro de 2010 foi fundado o Praesidium Nossa Senhora do Carmo na Capela Sagrado Coração de Jesus na Paróquia Nossa Senhora de Lourdes de Paranacity. Em 03 de setembro de 2011 foi oficializado o Praesidium Juvenil Nossa Senhora de Fátima com a participação de 07 jovens da comunidade de Cruzeiro do Sul. E no dia 04 de abril de 2012, o novo Praesidium na Capela  São Vicente de Paulo de Paranacity.
Atualmente a Cúria Nossa Senhora Rainha da Paz conta com 10 Praesidium e aproximadamente 90 legionários ativos e 110 auxiliares.
Agradecemos a todos que nesses 32 anos de luta nos ajudaram a caminhar. Que Maria os abençoe.
Nada é por acaso, tudo é providência Divina.




segunda-feira, 23 de abril de 2012

Casamento de Legionários

A Legião de Maria de Cruzeiro do Sul se alegra pela união dos irmãos Wilson e Vanessa, legionários do Praesidim Nossa Senhora de Fátima.
A cerimônia foi realizada no dia 21 de abril às 18:00 horas na Igreja Matriz São Judas Tadeu de Cruzeiro do Sul, e foi presidia pelo Pe. Antonio Carlos da Silva, Diretor Espiritual da Legião de Maria.
Os noivos...

Após o enlace matrimonial...

Os Legionários presentes...
Legionários do Praesidium Nossa Senhora de Fátima

Sob a proteção de Maria...

“Por isso o homem deixará pai e mãe
para se unir à sua esposa
e serão os dois uma só carne?.
Deste modo, já não são dois, mas uma só carne.
Portanto, não separe o homem o que Deus uniu”.
(Mt, 18, 5-6)

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Maria, a Estrela da Evangelização


Na Encíclica “Evangelização no mundo contemporâneo”, o Papa Paulo VI chamou Maria de Estrela da Evangelização. Hoje, mais do que antes, percebemos toda a verdade desta afirmação. Maria, a Mãe de Jesus é uma das maiores promotoras da evangelização em todo mundo.
            Somos convidados a olhar para as aparições de Nossa Senhora que são dignas de fé e para todos os Santuários Marianos no mundo, e ver que a devoção Marial vem arrastando multidões para o encontro com Deus, numa conversão alicerçada no arrependimento dos pecados, na busca do sacramento da confissão, na oração, no jejum, nos sacrifícios e na fé. No caminho de Maria encontram Deus, misericórdia, recomeço e Jesus na Eucaristia.
            A razão dos sinais no mundo todo (lágrimas, aparições, milagres, etc.) embora nem todas autênticas, têm uma razão simples: Maria tem pressa de chamar a humanidade de volta para Deus, por isso, ela é a grande evangelizadora dos nossos dias. Tenho testemunhado que muitas pessoas voltam para Deus através da devoção a Nossa Senhora. Maria aponta para Jesus Cristo e para a vida de comunidade na Igreja.
            Naquele livro famoso, “Tratado da verdadeira devoção à Santíssima Virgem” de São Luiz Maria de Montfort, o santo disse: “Por meio de Maria, Deus começou a salvação do mundo e é por meio de Maria que esta deve ser consumada. Maria tem um papel especial nos últimos tempos justamente porque ela é o meio mais seguro, mais fácil, mais rápido e mais perfeito de chegar a Jesus. Ela O deu ao mundo a primeira vez e também da segunda O fará resplandecer”.
            É doutrina da Igreja, plenamente confirmada por muitos Papas e Santos Doutores (Santo Agostinho, Santo Afonso, São Bernardo, entre outros), que Maria é medianeira e dispensadora de todas as graças de Deus. “Deus Pai ajuntou todas as águas e denominou-as de mar, reuniu todas as Suas graças e chamou-as de Maria” (São Luiz Maria de Montfort).
            A Igreja sempre teve Maria como àquela que mais cooperou na obra da Redenção da humanidade, pois ela participou diretamente, do princípio ao fim, do mistério da redenção realizada por Jesus Cristo. Sendo a Mãe de Jesus, tornou-se também a Mãe da Igreja, Corpo Místico de Jesus. Neste sentido, ela é a Mãe de cada um de nós, preocupada com nossa conversão e salvação. Ela é o elo de encontro da humanidade com Deus e de Deus com a humanidade.
           
Estou convencido de que Nossa Senhora é a estrela da evangelização e através de intervenções extraordinárias, realiza hoje na Igreja, uma obra singular, única, na mesma lógica de Fátima, Lourdes, Guadalupe, Salete e Aparecida. Maria exerce a sua maternidade na ordem da graça levando as pessoas para Deus e fazendo dilatar o Reino de Deus no mundo. A devoção a Nossa Senhora, os Santuários Marianos na Igreja e tantas congregações religiosas, que encontram inspiração na Bem Aventurada Virgem Maria, nos mostram o poder evangelizador da Mãe de Deus e Nossa.

Texto escrito pelo Pe. Ademir da Guia Santos –
Diretor Espiritual da Legião de Maria – Ponta Grossa

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Legionários encenam 7ª Estação da Via-Sacra em Uniflor

Os legionários de Uniflor encenaram na Sexta-feira Santa a 7ª Estação - Jesus cai pela segunda vez sob o peso da Cruz. A Estação fazia referência a campanha da Fraternidade que falava das pessoas abandonadas em hospitais e asilos.


“Amo todos aqueles que sucumbem e vêm a Mim, pedindo-Me perdão: amo-os ainda mais. Não os afastarei nunca; muito embora tenham sucumbido milhares de vezes (...) Não te deixarei cair, estarei ao pé de ti para te defender. Eu amo-te e manter-te-ei firme nas tuas quedas; não deixarei que tu te percas”.

terça-feira, 17 de abril de 2012

CNBB: "Legalizar o aborto de fetos com anencefalia é descartar um ser humano frágil e indefeso"


A Conferência Nacional dos bispos do Brasil, logo após a conclusão do julgamento do Supremo Tribunal Federal sobre a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 54, emitiu nota oficial lamentando a decisão. No texto, os bispos afirmam que "Legalizar o aborto de fetos com anencefalia, erroneamente diagnosticados como mortos cerebrais,é descartar um ser humano frágil e indefeso".

Leia a integra da Nota:

Nota da CNBB sobre o aborto de Feto “Anencefálico”

Referente ao julgamento do Supremo Tribunal Federal sobre a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 54

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB lamenta profundamente a decisão do Supremo Tribunal Federal que descriminalizou o aborto de feto com anencefalia ao julgar favorável a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental n. 54. Com esta decisão, a Suprema Corte parece não ter levado em conta a prerrogativa do Congresso Nacional cuja responsabilidade última é legislar.

Os princípios da “inviolabilidade do direito à vida”, da “dignidade da pessoa humana” e da promoção do bem de todos, sem qualquer forma de discriminação (cf. art. 5°, caput; 1°, III e 3°, IV, Constituição Federal), referem-se tanto à mulher quanto aos fetos anencefálicos. Quando a vida não é respeitada, todos os outros direitos são menosprezados, e rompem-se as relações mais profundas.

Legalizar o aborto de fetos com anencefalia, erroneamente diagnosticados como mortos cerebrais, é descartar um ser humano frágil e indefeso. A ética que proíbe a eliminação de um ser humano inocente, não aceita exceções. Os fetos anencefálicos, como todos os seres inocentes e frágeis, não podem ser descartados e nem ter seus direitos fundamentais vilipendiados!

A gestação de uma criança com anencefalia é um drama para a família, especialmente para a mãe. Considerar que o aborto é a melhor opção para a mulher, além de negar o direito inviolável do nascituro, ignora as consequências psicológicas negativas para a mãe.   Estado e a sociedade devem oferecer à gestante amparo e proteção

Ao defender o direito à vida dos anencefálicos, a Igreja se fundamenta numa visão antropológica do ser humano, baseando-se em argumentos teológicos éticos, científicos e jurídicos. Exclui-se, portanto, qualquer argumentação que afirme tratar-se de ingerência da religião no Estado laico. A participação efetiva na defesa e na promoção da dignidade e liberdade humanas deve ser legitimamente assegurada também à Igreja.

A Páscoa de Jesus que comemora a vitória da vida sobre a morte, nos inspira a reafirmar com convicção que a vida humana é sagrada e sua dignidade inviolável.

Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, nos ajude em nossa missão de fazer ecoar a Palavra de Deus: “Escolhe, pois, a vida” (Dt 30,19).

  
Cardeal Raymundo Damasceno Assis - Arcebispo de Aparecida

Presidente da CNBB
 

Leonardo Ulrich Steiner - Bispo Auxiliar de Brasília

Secretário Geral da CNBB

Arquidiocese de Maringá divulga nota sobre o cartaz da parada gay

Referente ao cartaz sobre a parada gay, que utiliza a figura da Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória, a Arquidiocese de Maringá tem a declarar:
1 - A Igreja Católica não tem a pretensão de domesticar a sociedade, impondo-lhe seus princípios e valores.
2 - A Igreja entende-se portadora de uma mensagem de salvação destinada ao verdadeiro bem da sociedade.
3 - A Igreja defende que sua pregação é uma proposta livre, apesar da diversidade social existente, que ela respeita, ainda que nem sempre concorde com todos os modelos de comportamento.
4 - A Igreja afirma que a Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória, antes de símbolo de Maringá, é um símbolo religioso da fé da maioria dos maringaenses.
5 - Por essa razão, lamenta o uso dado ao cartaz aludido, que confronta com o pensamento e a opinião religiosa da parcela maior da comunidade maringaense.
A Arquidiocese de Maringá, representando todos aqueles que se sentem ofendidos na sua fé, vem respeitosamente solicitar a retirada do referido cartaz de todos os meios de comunicação.
Invocando de Deus as bênçãos para todos, a fim de vivermos em clima de harmonia e respeito mútuo,
Dom Anuar Battisti
Arcebispo Metropolitano
Maringá, 16 de abril de 2012.


Símbolo de Fé dos Católicos da região de Maringá

domingo, 15 de abril de 2012

II Domingo da Páscoa - Domingo da Divina Misericórdia

Terço da Misericórdia no dia 15 de abril de 2012 na Igreja Matriz de Cruzeiro do Sul – Paraná, às 15:00 h.


Divina Misericórdia


O Papa João Paulo II, em Maio de 2000, instituiu a Festa da Divina Misericórdia para toda a Igreja, decretando que a partir de então o segundo Domingo da Páscoa se passasse a chamar Domigo da Divina Misericórdia. Segundo os católicos, por meio desta apóstola da Misericórdia, a Irmã Faustina Kowalska, Jesus prometeu: "Neste dia, estão abertas as entranhas da minha Misericórdia. Derramo todo um mar de graças sobre as almas que se aproximam da fonte da Minha Misericórdia. A alma que se confessar e comungar alcançará o perdão das penas e culpas. Neste dia, estão abertas todas as comportas divinas pelas quais fluem as graças. Que nenhuma alma tenha medo de se aproximar de mim".

Elementos da devoção



Jesus Cristo não apenas ensinou a Irmã Faustina Kowalska os pontos fundamentais da confiança e da misericórdia para com os outros, mas também revelou maneiras especiais para vivenciar a resposta à Sua Misericórdia. A isso chamam de devoção à Divina Misericórdia. A palavra "devoção" significa o cumprimento das nossas promessas. É uma entrega da vida ao Senhor, que é a própria Misericórdia.

Entregando as vidas à Divina Misericórdia - ao próprio Jesus Cristo - a pessoa se torna instrumento da Sua Misericórdia para com os outros, assim podendo vivenciar o mandamento Bíblico:
Sede misericordiosos como também vosso Pai é misericordioso (Lc 6,36).

Acreditam ainda, que, através da Irmã Faustina Kowalska, Jesus Cristo deu aos fiéis meios especiais de fazer uso da Sua Misericórdia:

Esses meios especiais são, segundo os devotos, um acréscimo ao Sacramento da Eucaristia e da Reconciliação que foram dados à Igreja.

Em uma visão, a Serva de Deus compreendeu que Deus abençoa a Terra por causa de Jesus. Ela escreve: “Vi uma grande claridade e nela Deus Pai. Entre essa claridade e a Terra percebi Jesus pregado na Cruz e de tal maneira que Deus, querendo olhar para a Terra, tinha que olhar através das Chagas de Jesus. E compreendi que somente por causa de Jesus, Deus está abençoando a Terra”.
           
Uma forma de culto à Misericórdia Divina, que lembra a paixão de Jesus, é a recordação da hora em que se deu a morte redentora na Cruz. È a hora do último suspiro; hora em que tufo “foi consumado”; hora em que se reconhece o tormento de uma Mãe dolorosíssima; hora, enfim em que o pensamento de Cristo se eleva, mesmo no momento do golpe da lança no seu peito fazendo jorrarem “Sangue e Água como fonte de Misericórdia para nós”. É a hora na qual o Reino de Deus foi aberto para cada homem, como ao ladrão arrependido.
           

O TERÇO DA MISERICÓRDIA DIVINA


Em 13 de setembro de 1935, Irmã Faustina escreveu: “Vi um Anjo que era o executor da ira de Deus... Quando vi este sinal da ira divina, que deveria atingir a terra, comecei a pedir ao Anjo que se detivesse por alguns momentos, que o mundo faria penitência”. As suas orações se revelaram de início impotentes. Então a Serva de Deus, diante da imprevista manifestação da Santíssima Trindade, começou a implorar com profundo recolhimento a Deus em favor do mundo. A sua oração correspondia às palavras que lhe vinham sugeridas interiormente: Eterno Pai, eu /vos ofereço o Corpo e Sangue, Alma e Divindade do vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e do mundo inteiro. Pela sua dolorosa Paixão, tende misericórdia de nós.
            Enquanto a Irmã seguia repetindo a oração que lhe foi misteriosamente inspirada, o Anjo se revelava impotente para executar o castigo para o qual fora designado.
            No dia seguinte, ao entrar na capela, a Irmã recebeu instruções de uma voz interior que lhe pedia repetir a oração que ouvira no dia anterior cada vez que se dirigisse ao Santíssimo Sacramento. Isso explica o conteúdo tão revelantemente eucarístico daquela invocação. Finalmente, Irmã Faustina teve uma nova inspiração referente à oração acima. Foi-lhe dito para rezar as mesmas palavras em forma de terço, as quais vão repetidas nas contas do nosso terço.

COMO REZAR: O TERÇO À DIVINA MISERICÓRDIA
           
Para ser rezado nas contas do terço.

No começo: Fazer o Sinal da Cruz e rezar: o Pai Nosso, Ave Maria e o Creio.

A seguir, nas contas grandes (do Pai-Nosso), rezamos:

Eterno Pai, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade do Vosso Diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e dos do mundo inteiro.

Nas contas pequenas (da Ave-Maria), rezamos:

Pela Sua dolorosa Paixão; tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.

E no final do terço rezamos três vezes:

Deus Santo, Deus Forte, Deus Imortal, tende piedade de nós e do mundo inteiro.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Orações no Bosque Nossa Senhora Rainha da Paz


As orações no Bosque neste dia 13 de abril tiveram início às 13:30 h com a reza da Novena das 90 Salve Rainhas e em seguida a reza do Terço.

Às 15:00 h teve início a Celebração da Palavra celebrada pelas Ministras Extraordinárias da Comunhão Eucarística – Genice e Zenita. A celebração foi enriquecida com cânticos religiosos.



Meditando a liturgia da palavra a ministra Genice fez referência ao Evangelho onde: É a terceira vez que Jesus ressuscitado aparece aos discípulos. Ele está vivo! Ele aparece na praia, entrando no quotidiano dos apóstolos, onde estavam trabalhando. Começava a clarear. À noite não pescaram nada. Quando Jesus chega, "começa a clarear". Quer dizer, as coisas melhoram e melhoram muito: a pesca foi grande - 153 peixes grandes! Sem Jesus não podemos muito ou nada. Com ele, tudo! Inclusive, Jesus nos convida para comer. Ele quer ser nosso alimento. Jesus participa do nosso quotidiano, de nossas dificuldades e conquistas.
Em seguida foi rezado o Pai Nosso e distribuída a Sagrada Comunhão. A Consagração a Nossa Senhora foi cantada por todos os presentes.

Após a benção final, todos se despediram de Nossa Senhora com muito amor.



O dia foi encerrado com a oração “Maria passa na frente” a pedido de uma devota de Nossa Senhora. Ao final houve “chuva” de graças.


Deus nos dá vários sinais, deixando na terra
locais especiais...

quinta-feira, 12 de abril de 2012

13 de Abril – Orações no Bosque Nossa Senhora Rainha da Paz


Maria, nossa mãezinha
Nos convida à união
Sua presença nos une
Faz-nos sempre mais irmãos.
(Pe. Marcelo Rossi)

A Legião de Maria convida a todos para rezarmos juntos com Maria, a partir das 13:30h no Bosque Nossa Senhora Rainha da Paz. As orações terão início com as 90 Salve Rainhas, em seguida o Terço e às 15:00 h, Celebração da Palavra.

Ficaremos muito felizes com vossa presença!
 

terça-feira, 10 de abril de 2012

Maringá realiza Vigília de Oração pela Vida contra o aborto de anencéfalos


Atendendo ao pedido do Arcebispo de Maringá, Dom Anuar Battisti, um grupo da Renovação Carismática Católica da Arquidiocese de Maringá, fará hoje (10) a partir das 20h um grande momento de Oração pela Vida e contra a proposta de descriminalização do aborto de anencéfalos – casos em que o feto tem má formação no cérebro. A recomendação para que as dioceses de todo o Brasil façam vigílias de oração foi encaminhada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

O grupo de oração Raio de Luz, que promove a vigília, se reúne todas às terças-feiras no auditório Dona Guilhermina, próximo à Catedral de Maringá. Todos os grupos de oração e de reflexão são chamados a realizar momentos de oração por esta causa.

Amanhã (11) o Supremo Tribunal Federal (STF) realiza o julgamento sobre a descriminalização do aborto de anencéfalos. Em agosto de 2008, por ocasião do primeiro julgamento do caso, a CNBB publicou uma nota que explicita a sua posição. “A vida deve ser acolhida como dom e compromisso, mesmo que seu percurso natural seja, presumivelmente, breve. (...) Todos têm direito à vida. Nenhuma legislação jamais poderá tornar lícito um ato que é intrinsecamente ilícito. Portanto, diante da ética que proíbe a eliminação de um ser humano inocente, não se pode aceitar exceções".

Na edição de domingo (8) o jornal O Diário publicou a seguinte declaração do Padre Luiz Antonio Bento (foto), da Arquidiocese de Maringá, pós-doutor em Bioética, membro da Comissão de Bioética da CNBB e professor da Uningá e da PUCPR. “O que está em jogo é a vida de crianças que não têm uma parte do cérebro e, por isso, a possibilidade de vida pós-nascimento é curta. Temos registrado em literatura crianças que viveram até um ano e dois meses, portanto, é um erro científico afirmar que todas morrem após o parto. Somos favoráveis à vida e contrários ao aborto em qualquer circunstância. Propomos que existam cuidados paliativos para melhorar a qualidade de vida das crianças e confortar os pais.

Não podemos ser indiferentes à angústia da mãe, mas esse sofrimento não justifica ou autoriza o sacrifício da vida do filho. Se o feto tivesse má-formação que o impedisse de nascer vivo, a premissa poderia ter algum embasamento, mas não é o caso. É preciso escolher entre a medicina que cura ou medicina que mata. O aborto é uma barbárie, é escala para instalação da câmara de extermínio de recém-nascidos defeituosos. O aborto dessas crianças é fruto de uma sociedade que busca a perfeição do corpo e julga o anencéfalo como uma pessoa indesejada. Implantar o aborto na sociedade é implantar uma espécie de nazismo, e a gente já sofreu muito por esse tipo de prática.”

Fonte: www.cnbb.org.br